quarta-feira, 7 de junho de 2017

MELHORIAS NO ATENDIMENTO CLÍNICO INTERNO


O ambulatório da Universidade Federal de Lavras (UFLA) vai realizar, a partir da próxima segunda-feira, 12, adequações no atendimento prestado aos pacientes. A unidade, que fica localizada no pavilhão 4, atende estudantes e o público interno da instituição.

Com o apoio da prefeitura de Lavras, que forneceu os serviços de duas enfermeiras, a unidade vai realizar atendimentos médicos no período da manhã, tarde e noite, agendados conforme triagem realizada durante o acolhimento. 

Este procedimento se caracteriza pela avaliação, por parte da enfermeira, da gravidade dos sintomas apresentados pelo paciente. 

De acordo com a classificação, os estudantes serão agendados para atendimento no mesmo dia. O horário de funcionamento será das 8h às 12h e das 13h às 21h.

O ambulatório tem por objetivo atender as demandas de saúde de nível primário, ou seja, que não são emergenciais, mas que necessitam de atenção, como, por exemplo, dor ao urinar, febre, resfriado, tontura, entre outros. 

A unidade não possui assistência adequada para situações de urgência e emergência, por isso, os pacientes que estiverem nesta classificação, devem ir direto para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Lavras.

Além das vagas para atendimento médico, algumas orientações básicas podem ser dadas pela própria enfermeira durante a fase do acolhimento, se esta chegar à conclusão de que os sintomas são passíveis de serem resolvidos.

Parceria para obtenção de medicamentos gratuitos
Com o intuito de estender a assistência prestada, a universidade também firmou parceria com a prefeitura para entrega de medicamentos gratuitos para pessoas em situações de vulnerabilidade econômica. 

Agora, as receitas médicas emitidas pela UFLA, tanto nos atendimentos eletivos, quanto nos ambulatoriais, serão aceitas pela farmácia municipal e pela farmácia popular.

com assessoria

Um comentário:

SECOM PR Responde disse...

R$80 milhões que eram gastos com aluguel e estrutura agora serão transformados em remédios para a população. A Farmácia Popular custava R$100 milhões por ano aos cofres públicos, R$80 milhões eram gasto com as unidades físicas próprias, sobrando apenas R$20 milhões para a compra de medicamentos. O Ministério da Saúde reorganizou o programa e transformou toda verba em remédios. O SUS passará a utilizar as redes de distribuição municipais, além de manter o convênio com mais de 34 mil farmácias privadas para atendimento da população. Com a transferência do atendimento para a rede credenciada, será possível alcançar mais mil municípios e aumentar o estoque de medicamentos nas 4.481 cidades que hoje já são atendidas. Saiba mais http://bit.ly/2r3kBd1 #SECOMPR